Noticias

Perguntas e respostas: a crise financeira na Europa

A Europa, sempre lembrada como uma regio de altssimo desenvolvimento econmico e bem-estar social, agora tem sua imagem associada a turbulncias de mercado. Entenda como o descontrole das contas pblicas e as particularidades polticas do continente conduziram a zona do euro a uma crise financeira que levar anos para ser totalmente superada.

1. Por que a Europa passa por uma crise?

A formao de uma crise financeira na zona do euro deu-se, fundamentalmente, por problemas fiscais. Alguns pases, como a Grcia, gastaram mais dinheiro do conseguiram arrecadar por meio de impostos nos ltimos anos. Para se financiar, passaram a acumular dvidas. Assim, a relao do endividamento sobre PIB de muitas naes do continente ultrapassou significativamente o limite de 60% estabelecido no Tratado de Maastricht, de 1992, que criou a zona do euro. No caso da economia grega, exemplo mais grave de descontrole das contas pblicas, a razo dvida/PIB mais que o dobro deste limite. A desconfiana de que os governos da regio teriam dificuldade para honrar suas dvidas fez com que os investidores passassem a temer possuir aes, bem como ttulos pblicos e privados europeus.

2. Quando os investidores passaram a desconfiar da Europa?

Os primeiros temores remontam 2007 quando existiam suspeitas de que o mercado imobilirio dos Estados Unidos vivia uma bolha. Temia-se que bancos americanos e tambm europeus possuam ativos altamente arriscados, lastreados em hipotecas de baixa qualidade. A crise de 2008 confirmou as suspeitas e levou os governos a injetarem trilhes de dlares nas economias dos pases mais afetados. No caso da Europa, a iniciativa agravou os dficits nacionais, j muito elevados. Em fevereiro de 2010, uma reportagem do The New York Times revelou que a Grcia teria fechado acordos com o banco Goldman Sachs com o objetivo de esconder parte de sua dvida pblica. A notcia levou a Comisso Europia a investigar o assunto e desencadeou uma onda de desconfiana nos mercados. O clima de pessimismo foi agravado em abril pelo rebaixamento, por parte das agncias de classificao de risco, das notas dos ttulos soberanos de Grcia, Espanha e Portugal.

3. Quais pases se encontram em situao de risco na Europa e por qu?

Portugal, Irlanda, Itlia, Grcia e Espanha - que formam o chamado grupo dos PIIGS - so os que se encontram em posio mais delicada dentro da zona do euro, pois foram os que atuaram de forma mais indisciplinada nos gastos pblicos e se endividaram excessivamente. Alm de possurem elevada relao dvida/PIB, estes pases possuem pesados dficits oramentrios ante o tamanho de suas economias. Como no possuem sobras de recursos (supervit), entraram no radar da desconfiana dos investidores. Para este ano, as projees da Economist Intelligence Unit apontam dficits/PIB de 8,5% para Portugal, 19,4% para Irlanda, 5,3% para Itlia, 9,4% para Grcia e 11,5% para Espanha.

4.Por que o bloco europeu no consegue regular sua poltica fiscal como os Estados Unidos, por exemplo?

Apesar de ter um rgo responsvel pela poltica monetria, o Banco Central Europeu (BCE), que estabelece metas de inflao e controla a emisso de euros, a Unio Europia no dispe de uma instituio nica que monitora e regula os gastos pblicos dos 16 pases-membro. Dessa maneira, demora a descobrir os desleixos governamentais e, quando isso acontece, inexistem mecanismos austeros de punio. Em 1999, os pases da regio encerraram um ciclo de discusses chamado Pacto de Estabilidade e Crescimento. Em resumo, as naes comprometeram-se com a questo do equilbrio fiscal. quelas altamente endividadas ficou a imposio de apresentar planos de convergncia para patamares de dvida mais aceitveis. As sanes seriam recolhimentos compulsrios e multas. Contudo, sua aplicao no seria automtica, ficando na dependncia de uma avaliao pelo Conselho Europeu. A poltica mostrou-se insuficiente para controlar os gastos pblicos dos PIIGS.

5.A crise financeira pode afetar a economia real da Europa?

A desconfiana em relao Europa pode disseminar pnico no mercado e fazer com que bancos fiquem excessivamente cautelosos ou at parem de liberar crdito para empresas e clientes. Os investidores, ao venderem aes e ttulos europeus, provocam fuga de capitais da regio. Sem poder provocar uma maxidesvalorizao do euro, haja vista que isso prejudicaria aqueles pases que tm as contas controladas, a opo impor sacrifcios populao, como corte de salrios e congelamento de benefcios sociais. Tudo isso implica menos dinheiro para fazer a economia girar - justo num momento em que a zona do euro precisa crescer e aumentar sua arrecadao para diminuir o endividamento. O risco a criao de um crculo vicioso, em que uma estagnao ou, at mesmo, uma recesso, prejudique os esforos de ajuste fiscal - o que levaria a medidas de austeridade ainda mais severas, mais recesso, e assim por diante. Num segundo momento, a Europa, como um dos maiores mercados consumidores do mundo, diminuiria o ritmo de importao de bens e servios e prejudicaria a dinmica econmica global.

6. Por que o euro se desvaloriza?

A possibilidade de que governos e empresas da regio tornem-se insolventes faz com boa parte dos investidores simplesmente no queira ficar exposta ao risco de aes e ttulos europeus. Na primeira metade do ano, o que se viu foi um movimento de venda destes papis e fuga para ativos considerados seguros, como os ttulos do Tesouro norte-americano. Tal movimento, de procura por dlares e abandono do euro, fez com que a cotao da moeda europia atingisse valores historicamente baixos. As moedas tambm refletem o vigor das economias. Assim, argumentam os analistas, a tendncia de longo prazo de fortalecimento do dlar e das moedas dos pases emergentes (real inclusive), enquanto a Europa no conseguir resolver seus problemas fiscais e criar condies para um crescimento econmico mais acentuado.

7. O que foi feito para evitar a derrocada do euro?

Dois pacotes de socorro foram aprovados com o intuito de ganhar tempo para a tarefa de reorganizar as contas dos pases mais endividados e restabelecer a confiana dos investidores na regio. O primeiro voltava-se exclusivamente Grcia e somou cerca de 110 bilhes de euros. O montante, levantado pelo Fundo Monetrio Internacional ( 30 bilhes) e pelos governos dos pases da zona do euro ( 80 bilhes), deve ser liberado de forma progressiva num prazo de trs anos. O segundo foi a constituio de um fundo emergencial de 750 bilhes de euros para situaes de crise na Unio Europia. Qualquer pas da regio estaria apto a recorrer a ele. A maior parte, 500 bilhes, vir de pases europeus e o restante, 250 bilhes, do FMI.

Revista Veja