Noticias

Pöyry prevê que 90% do crescimento deste mercado nos próximos anos estará atrelado à demanda asiática

No Brasil, a disputa por terras para plantio de florestas e a melhoria da infraestrutura são os principais desafios para garantir a competitividade.

A lenta recuperação da economia americana e a crise europeia estão entre os fatores que devem influenciar o desempenho do setor de Celulose e Papel (C&P) no Brasil este ano. De acordo com previsão da Pöyry, multinacional finlandesa líder na prestação de serviços de consultoria e engenharia para o setor de celulose e papel, a indústria brasileira de C&P deve fechar 2012 com resultados inferiores aos de 2011, quando registrou produção de 14 milhões de toneladas de celulose e 10 milhões de toneladas de papel. As exportações também deverão diminuir em relação as 8,5 milhões de toneladas de celulose e 2,0 milhões de toneladas de papel exportadas em 2011.

Carlos Farinha e Silva, vice-presidente da Pöyry e conselheiro da ABTCP – Associação Brasileira Técnica de Celulose e Papel-, observa que, no longo prazo, até 2025, o mercado continuará crescendo, mas o maior índice de expansão estará concentrado na Ásia – esta região, puxada principalmente pela China, deverá responder por 90% da expansão da produção de papel e da demanda por fibra.

A previsão é que o mercado mundial tenha, até 2025, um incremento de produção de 100 milhões de toneladas no segmento de papel e um aumento de 102 milhões de toneladas no consumo de celulose, comparativamente à produção atual de papel de 398 milhões de toneladas de papel e ao consumo de 404 milhões de toneladas de fibra para papel, incluindo papel reciclado.

A Ásia, com uma produção de papel estimada em 177 milhões de toneladas em 2011, deve ampliar seu consumo em mais 86 milhões de toneladas até 2025, enquanto a demanda por fibra para papel, incluindo papel reciclado (aparas de papel), deve crescer em 88 milhões de toneladas no período, comparativamente à estimativa de 186 milhões de toneladas consumidas em 2011.

Já a América Latina, cuja produção de papel em 2011 é estimada em 20 milhões de toneladas, deve expandir essa oferta em 9 milhões de toneladas até 2025, enquanto a demanda pela fibra deve crescer nesta mesma proporção, em relação às 21,3 milhões de toneladas consumidas em 2011.

Para atender à maior demanda na América Latina, o VP da Pöyry cita como fatores-chave o plantio de novas florestas, o que se constitui em desafio face à disputa por terras entre o setor de base florestal e outras atividades do agribusiness. “A lei que limita a compra de terras por estrangeiros no País também é um obstáculo aos investimentos, e precisa ser regulamentada”, acrescenta Carlos Farinha e Silva.

Medidas para a melhoria da infraestrutura e dos custos logísticos, observa ele, são outros requisitos decisivos para se recuperar a competitividade do setor de C&P. “Por meio do programa Brasil Maior, o governo já vem adotando medidas de incentivo à indústria, como a diminuição dos encargos sociais em folha de pagamento, anunciada recentemente”, conclui Silva.

A Pöyry é uma empresa global de consultoria e engenharia, dedicada a um modelo de sustentabilidade equilibrada - balanced sustainability – e gestão responsável. Com atuação focada em qualidade e integridade, oferece aos clientes serviços de excelência em consultoria, soluções completas, design e supervisão. A ampla experiência da empresa abrange os segmentos de energia, indústria, urbanismo e transporte, água e meio ambiente. A Pöyry conta com a experiência de 7.000 especialistas e uma rede de escritórios locais em cerca de 50 países.

Empresa de capital aberto, com ações na Bolsa de Helsinque, a Pöyry vem registrando crescimento médio de 12% ao ano nos últimos 10 anos. Em 2011, obteve faturamento de 680 milhões de euros.

No Brasil, a Pöyry iniciou atividades em 1974, tendo criado a sua subsidiária brasileira em 1999. Com uma posição de liderança na área de engenharia, a Pöyry aumentou o seu escopo de atuação no ciclo de vida completo do investimento, ingressando ainda mais nas áreas de consultoria e gerenciamento de projetos, além dos serviços de engenharia de fábrica. Atualmente, a Pöyry conta com mais de 700 colaboradores no País e atende mais de 50 diferentes clientes de diversos setores.